10 espaços naturais para desfrutar da neve no Natal

1. Gorbea (País Basco)


O Parque Natural de Gorbea está entre os limites dos territórios históricos de Álava e Bizkaia. O maciço que lhe dá o nome, com seus 1.482 metros de altura, é um ponto de referência do montanhismo vasco e onde a neve faz ato de presença no inverno. Para subir ao seu topo e chegar até a sua famosa cruz metálica, que lembra a torre Eiffel francesa, podem ser utilizadas várias rotas começando em Pagomakurre, Zárate, Barazar, Santarém ou Sarria.


2. Espanha (Madrid e a comunidade autónoma de Castela e Leão)


A serra de Guadarrama é o Parque Nacional mais recente constituição (em 2013) de Portugal. Nele se podem fazer vários passeios em áreas nevadas durante o inverno. A cimeira de Peñalara, com seus mais de 2.400 metros de altitude, é um dos lugares mais populares. Mas vale a pena também visitar espaços como a Pedriza, o Cabeça de Ferro Maior, o Nevero Município, o porto de Bergamo, a porta da Morcuera, a Maliciosa ou o Alto de Guaramillas, também conhecido como Bola do Mundo.



Imagem: João Palmou


3. Lago de Sanabria (Castela e Leão)


O lago de Sanabria, figura como o maior da península e o único de origem glaciar. Este Parque Natural, localizado ao noroeste da província de Zamora, recebe a visita de neve nas datas de natal. Algumas áreas para contemplá-la em primeira pessoa são a lagoa de Peixe, San Martín de Castañeda, do Porto ou de San Cibrao de Sanabria.


4. Ordesa (Aragão)


Ordesa é um dos Parques Nacionais clássicos de Portugal. Uma das trilhas mais populares durante todo o ano é a Cauda de Cavalo, que no inverno se tinge de preto e lhe oferece um atrativo a mais para as já lindas vistas. Os amantes das montanhas ouvirão a chamada do Monte Perdido, que, com seus 3.355 metros, é o maciço calcário mais alto da Europa ou de rotas de caminhadas como as do Canhão de Añisclo, Vale Bujaruelo ou Vale Pineta.



Imagem: Jorge Franganillo


5. Redes (Astúrias)


O Parque Natural de Redes consiste em um território de montanha de relevo escarpado, com o Pico Torres com os seus 2.104 metros, como o seu cume mais elevado. Este espaço natural protegido asturiano é ideal para desfrutar da neve em sua grande diversidade de rotas de caminhadas e escaladas alguns de seus picos, como Couto Tricampeonato, Coto Ancio, a Colladona, Colláu Llagos ou Cantu da Estrela.


6. Serra de castela e leão (La Rioja)


O Parque Natural da Serra de castela e leão, a cerca de 50 quilômetros de Logroño, oferece inúmeras possibilidades de desfrutar da natureza. No inverno, a neve cobre grande parte de seu território, e fornece uma boa possibilidade de fazer passeios com raquetes de neve, como no Porto de Piqueras, Morro do Cabeça ou o Caminho dos Currais.


7. Sierra Nevada (Andaluzia)


Sierra Nevada, na província andaluza de Granada, impressiona por ser um extenso maciço montanhoso, com um relevo compacto e por ter o pico mais alto da península ibérica, o Mulhacén, com 3.482 metros. Este Parque Natural e o Parque Nacional é reconhecido também como Reserva da Biosfera. Além da popular estância de esqui de Serra Nevada possui outros lugares interessantes para desfrutar da neve e da natureza em geral, como a área de Borreguiles, Bancos, fonte do Melro, Pinos Genil ou Genes da Serra.



Imagem: Fotos de Tenerife


8. Espanha (Canárias)


As ilhas Canárias são sinônimo de sol e temperaturas agradáveis durante todo o ano, bem que poderia parecer que não é um bom site para encontrar neve. No entanto, no inverno, o cone do Vulcão está coberta de um manto branco, graças aos seus 3.718 metros sobre o nível do mar, que fazem dele o pico mais alto de Portugal. Localizado no centro da ilha de Tenerife, este vulcão pode visitar diversos meios de locomoção.


9. Urbasa e Andia (Navarra)


O Parque Natural de Urbasa e Andia, a oeste de Navarra, configura-se como um espaço dotado de um amplo conjunto de belos valores naturais. No inverno, com sol e neve, vale a pena entrar por algum de seus caminhos a pé ou com raquetes de neve, como o que se pode fazer entre Otsaportillo e a ermida de Santa Marinha.


10. Vale de Aran (Catalunha)


Além de sua famosa estância de Baqueira Beret, o Vale de Aran em Lleida oferece em suas 620 km2 de extensão zonas com altitudes que ultrapassam os 2.000 metros para poder desfrutar da neve. Os amantes de caminhadas ou trilhas para passeios com raquetes podem passar aqui dias e dias, como em Artiga de Lin, Bausén e o bosque de faias Carlac ou os lagos de Colomèrs.

10 confissões do fotógrafo de cabeçalho dos Rolling Stones

Fotografou os Rolling quando ainda não eram Suas Satânicas Majestades e os Beatles quando ainda não tinham sido os totais responsáveis pelo fenômeno. Foi (e é) o fotógrafo, por excelência, das lendas do cinema, da moda e da música britânica e agora desembarca em nosso país com Breaking the rolling Stones, uma retrospectiva organizada pela Mondo Galeria em parceria com José Cuervo que poderá ser vista até o próximo dia 20 de maio. Tivemos a oportunidade de conversar com ele, e lhe perguntamos por Mick Jagger e Keith Richards, mas também por Kate Moss e como você acha que teria sido o Instagram de Janis Joplin.

Os Rolling Stones.

Foto: Terry OŽNeill.

Retratou a Marlene Dietrich , em sua última apresentação na Europa e a Romy Schneider apenas dois meses antes de seu falecimento. Mas diz que o melhor que lhe aconteceu nunca foi se tornar a sombra de Frank Sinatra, com a câmera na mão, durante 30 anos.

Mas foram outras lendas da música que lhe valeram a Terry O’Neill a fama mundial: The Rolling Stones e The Beatles, que fotografou antes de ser Suas Satânicas Majestades e os responsáveis directos do nascimento do fenômeno fã, respectivamente. Anos bobinas e depois consagrado como o fotógrafo de cabeceira das estrelas britânicas, conseguimos falar com ele durante a sua passagem por Portugal e por ocasião da inauguração A Band on the brink of superstardom, 1963-1965, fotografias de Terry O’Neill e Gered Mankowitz, uma retrospectiva que reúne alguns de seus melhores momentos e que pode ser visto no Mondo Galeria até o próximo dia 20 de maio.

The Rolling Stones.

Foto: Terry OŽNeill.

Foste o primeiro a retratar os Beatles e os Rolling O Eras consciente, no momento, de quem estava fotografando?

Era início dos anos sessenta, quando retraté pela primeira vez, os Rolling Stones e eram cerca de totais desconhecidos. Eles estavam imersos em uma turnê, fazendo shows por todo o país, mas nenhum de nós, nem eles nem eu, tínhamos idéia do tsunami de fama e sucesso que estava por vir.

Você fotografou a modelo Kate Moss, Mick Jagger, Keith Richards, Frank Sinatra você se tornou alguém no tinteiro?

Ninguém. Não quero fotografar a ninguém que seja controlado por suas relações públicas ou agentes. Perdem toda a sua autenticidade, a sua espontaneidade, e o trabalho se transforma em algo artificial.

Às vezes fantaseo com como seriam as contas de Instagram de Jimmy Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison se tivessem tido essa tecnologia ao seu alcance. Como você acha que teria sido?

Eu acho que, certamente, teriam evitado as redes sociais. Foram grandes artistas e amavam a sua música com uma paixão tão grande que não teriam tido tempo para postar nas redes sociais.

Você acha que as redes sociais acabam de alguma forma com a mitomania e o mistério sobre os nossos ídolos? Como isso repercute no trabalho dos fotógrafos?

As celebridades que compartilham de sua vida privada não são, em minha opinião, verdadeiras celebridades. Na verdade, a maioria deles têm pouco ou nenhum talento real, não têm um duende que perdura no tempo, como o das velhas estrelas. Suas fotos são compradas e não permitem ver a verdadeira pessoa.

The Rolling Stones.

Foto: Terry OŽNeill.

Qual é a diferença entre fotografar a Marlene Dietrich e a vizinha de cima?

Tratamento de forma exata a todas as pessoas que fotografío. Nunca tive medo, nem tenho estado nervoso em companhia de grandes celebridades: eles são como tu e como eu, mas com mais dinheiro.

Disseste que o melhor que aconteceu na vida foi poder retratar-se durante muito tempo a Frank Sinatra, mas que nunca chegastes a ser amigos. Por que não intimasteis ao longo de todos esses anos?

Sinatra era um homem muito reservado. Alguns dirão que era um homem com problemas, que nunca foi realmente feliz, exceto sobre um palco. Mantinha-se a distância com todos, mas respeitava as pessoas com quem tratava. Só estava rodeado dos melhores, e eu estava feliz de estar entre eles. Quando você está trabalhando com celebridades nem sempre você pode sentar, conversar com elas e relaxar: você está trabalhando.

Se fosse um fotógrafo que acaba de começar, a que grupo contemporâneo acompañarías de turnê para retratar todas as suas façanhas?

Retraría de novo tudo dos Rolling Stones.

Qual foi a foto mais difícil de sua carreira?

Quando trabalhei com Steve McQueen. Fui ao seu escritório para lhe fazer umas fotos e logo que cheguei voltou para o seu representante, disse-lhe que eu não sabia nada disso e que não estava disposto a deixar-se retratar por mim. Ainda assim, eu não deixei de fotografar e, apesar de sua falta de vontade, revelaram-se excelentes.

Como é Kate Moss?

Fabulosa. E muito fácil de tratar.

Tags:

10 dicas para gerenciar a vida de trabalho, família e lazer

Vivemos na era multitasking, em que estamos pendente de quatro telas ao mesmo tempo. Na era em que “tudo é para ontem”. É muito difícil escrever tudo o que deveríamos profissionalmente e, mais ainda, conciliar nosso ambiente de trabalho com o lazer ou outros assuntos. A situação agrava-se no caso de que seja criada a conciliação familiar. Os espanhóis ocupamos o oitavo posto com o final entre os países da Europa com piores condições quando se tem um filho. As licenças maternidade e paternidade no nosso país são um dos pontos mais fracos na hora de coordenar a vida familiar e a profissional. Maria Abade, diretora de Marketing da Teamleader para Espanha e Portugal, dá-nos as suas chaves.


Isso é especialmente complicado para todos os que queiram ter seus três aspectos vitais equilibradas, mas especialmente para as mulheres: dados do Inquérito de População Activa apontam que 96% das excedências que se pedem com motivo do cuidado de crianças é pedido por mulheres.


Para, dentro do possível, tornar mais fácil e suportável a conjugação de todos os domínios e ser política ou empresarial, sem morrer na tentativa, deixo 10 dicas para realizar um trabalho inteligente que nos permita ter vida para além dos e-mails, telefonemas e reuniões.


1. Ter todos os processos em ordem e sob controle. Diretoras, responsáveis de área e gestores de projeto, tanto por elas mesmas e pelos seus equipamentos (além dos legítimos direitos, um modelo contente e descansado rende mais, e passar mais tempo no escritório não se traduz, necessariamente, em melhores resultados), devem-se observar os fluxos de trabalho de sua empresa ou seção para ver como você pode otimizar e estabelecer metas e prioridades.


2. Simplificação de “gadgets” ou ferramentas. Em um contexto em que falta tempo para tudo, a otimização na gestão é fundamental. Atualmente, existem ferramentas de gestão que permitem que os processos sejam mais ágeis. Às vezes, como empresárias ou directivas vamos tão rápido que paramos para melhorar os processos. No nosso dia-a-dia existem ferramentas que nos facilitam a gestão. A nuvem pode ser o nosso grande aliado. Lá podemos encontrar a partir de ferramentas que integram todas as funções básicas para uma empresa, como o CRM, gestão de projetos e faturamento, em uma única plataforma; até ferramentas colaborativas para usar em nossa organização, tanto individual como com os equipamentos.


3. Evitar os momentos de procrastinación através da programação consciente. Um dos truques mais úteis que eu ouvi foi o de dedicar alguns minutos concretos a nos concentrar em nossa respiração, tentar estar presente no aqui e agora, para depois dedicar 5 minutos a programar a atividade que vamos fazer. Trata-Se de um auto-engano positivo, porque o que custa de uma atividade é normalmente o momento anterior; essa espécie de “sentimento do fólio em branco”. Mas, uma vez superada a fase inicial, o corpo está acostumado e sente a necessidade de acabar o mandato.


4. Economizar tempo, independentemente das ações mecânicas, como faturamento. Uma directiva ou responsável eficiente deve procurar software tudo-em-um que lhe ajude a realizar funções que não são essenciais para o core business ou negócio central da empresa. Assim, os trabalhadores podem realizar outras atividades e dedicar o seu tempo ao que realmente importa. A inovação e até mesmo a encontrar novos nichos de mercado.


5. Levar uma vida saudável. Para um desempenho otimizado e eficiente em nosso posto de trabalho, é necessário respeitar o nosso corpo e suas necessidades: alimentação, repouso e exercício.


6. Configurar uma partilha equitativa de tarefas domésticas. Neste ponto faltaria a necessidade de explicação. O ambiente de trabalho, já o coloca em ocasiões bastante complicado para além de ter complicações em casa. A cooperação dentro da família seria benéfica para todos, pois a todos gostaríamos de poder passar mais tempo com nossos filhos e é mais fácil turnarse nas tarefas, fato que, além disso, significaria uma economia de cara contratação de assistentes e, se feito da melhor maneira possível, o que implicaria uma maior entrada de receitas ao poder arrumar e estar duas pessoas no activo.


7. Agrupar reuniões no tempo. Tente agrupar as reuniões em um determinado período de tempo, de modo que nos obliguemos a passar de uma para a outra e não ficar mais tempo no escritório do que tínhamos planejado, e acotaríamos troca para ir direto ao centro da questão.


8. Assumir que a perfeição não se pode alcançar. Eu sou perfeita, com todas as minhas perfeitas imperfeições. Quanto mais apertadas vamos a tempo e, especialmente, quando nos deparamos com uma paternidade ou maternidade, mais difícil é manter-se presente. Se antes já era difícil alcançar a perfeição agora temos que ser conscientes de que não podemos fazer tudo perfeito. Um conceito que vai muito ligado a este ponto é o da necessidade de delegar, que se transforma em algo que não é negociável.


9. Conhecer bem as leis, seja para criticarlas ou para nos dar conta de coisas que na verdade não sabíamos que eram possíveis em relação à maternidade e paternidade; bem como estar pendentes de mudanças. O contexto ajudá-lo ou não no cumprimento, mas quanto mais informados estivermos, melhor. Que por nós não fique.


10. Determinar corretamente as prioridades e ser realistas. Como se trata de avançar e não de bloquearnos, há que ser conscientes das limitações que um determinado momento, oferece e estabelecer uma hierarquia de tarefas. Uma ferramenta com a função de gestão de projetos permite controlar as atividades desde o início de um projeto, estabelecendo fases e datas.